Leilões têm imóveis

com até 81% de desconto

Mais de 400 imóveis estão disponíveis e é possível usar o saldo do FGTS
em alguns casos, além de financiar pela Caixa Econômica

Os estoques de imóveis dos bancos cresceram 32% no ano passado e eles representam cerca de 90% dos bens retomados pelas instituições financeiras para o pagamento de dívidas.

Um dos meios mais comuns que os bancos usam para transformar esses bens em dinheiro são os leilões. É por isso que a Caixa Econômica Federal realiza um leilão de 84 imóveis residenciais no estado de São Paulo hoje (17) e 31 de julho.

Organizado em duas fases pela Frazão Leilões, os lances poderão ser quitados com recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), além de serem financiados pela Caixa.

Casas, apartamentos e terrenos poderão ser adquiridos por valores a partir de 19% do seu preço de mercado, ou seja, com até 81% de desconto.

Os interessados poderão participar do leilão presencialmente ou pela internet. As informações sobre os imóveis da Caixa estão disponíveis aqui.

Riscos de leilões de imóveis

A advogada especialista em direito imobiliário Paula Farias afirma que o leilão pode ser uma ótima oportunidade para o investidor.

Mas não é tão indicado para famílias que querem realizar o sonho da casa própria. 

Essa não é uma boa forma de compra para quem tem pressa. Há vários casos em que os leilões abrem brechas jurídicas que podem levar à anulação. Até que haja uma definição na Justiça, o dinheiro pago pela propriedade fica em poder do banco.

A correção, diz Paula, é irrisória, menor que o rendimento de poupança.

Já para um investidor, um desconto de 40% do valor de mercado pode aumentar a rentabilidade de um possível aluguel deste imóvel.

Também pode ser interessante para quem deseja revender. O investidor compra pela metade do preço, resolve as pendências e coloca de volta à venda pelo valor cheio.

Também com os imóveis de leilão, tudo tem que ir para a ponta do lápis. Pode acontecer de o desconto não compensar.

Quando somadas dívidas que ficam por conta do vencedor do leilão, percentual de comissão do leiloeiro e custos jurídicos de ações de despejo, o valor pode chegar ou até ultrapassar o valor de mercado.

Faça as contas e fique de olho!